"IMPRENSA É OPOSIÇÃO. O RESTO É ARMAZÉM DE SECOS E MOLHADOS". MILLÔR FERNANDES

HISTÓRIA

Dados Históricos


ITABAIANA era habitada por índios Tupis que lutaram, 
fugiram e até morreram pelas suas terras com a 
chegada dos colonos.
No século XVIII, inicia-se a formação do núcleo colonial

 que deu origem a ITABAIANA, tendo como base a Missão
 do Pilar, estabelecido no local pelos jesuítas.



Precursores

Segundo a história os primeiros proprietários rurais
 que se instalarão em Itabaiana foram: Francisco Camelo
 Valcasser e Francisco do Rego Barros, na localidade
 de Maracaípe em 1663.
Com a fertilidade do solo e um clima atraente, principalmente
 pelas boas pastagens para o gado, outros moradores
 também chegaram.
Assim sendo, foram beneficiados com lotes de terra:
- Capitão Caetano Leitão de Vasconcelos (1726);
- Tenente João Tavares de Castro (1731);
- Capitão Francisco Cardoso da Silva (1743);
- Josefa Coelho e João Fernandes Lisboa
 (sogra e genro em 1757);
- Manoel Ferreira de Carvalho (1758);
- Capitão Antônio de Meirelles Peixoto (1759);
- Mathias Nunes Ângelo (1759);
- Capitão Joaquim Dias de Andrade (1781);
- Luiz Vaz de Carvalho, Manoel da Silva Rosa e
 Antônio José da Silveira (1781);
- José de Castro Lima (1794);
- João da Matta e D. Romualda Maria da Conceição 
(1807).
Outros lotes de terras foram concedidos, se tornando
 assim em fazendas de criação de gado e durante o período
 de 1780 a 1800, se estabelecia o povoado de Itabaiana,
 os proprietários rurais iam se estabelecendo, produzindo,
 e daí crescendo a população do município.
Nas terras de Itabaiana as margens do rio Paraíba, foi onde
 se instalou o primeiro aglomerado, nascendo ali a primeira
 rua da futura cidade.

Origem do Município

Itabaiana teve a sua origem colonizadora em Maracaípe

 no ano de 1663. Com relação às datas referentes a elevação
 do povoado de Itabaiana as categorias de vila, município,
 cidade, comarca e freguesia eclesiástica, há várias versões,
 assim narra Sabiniano Maia, em “Itabaiana – sua História –
 suas memórias de 1500 a 1975”
Sabe-se que o povoado de Itabaiana que pertencia ao Município

 de Pilar, passou á categoria de vila pela Lei nº 723 de 1º 
de outubro de 1881. (Alguns documentos trazem divergências
 quanto a essa data)
No governo de Venâncio Neiva em 23 de abril de 1890, através

 do Decreto nº 14 na comarca de Pilar é criado o município 
de Itabaiana, tendo como sede a vila do mesmo nome, fazendo
 parte ainda da sua divisão política e administrativa outros 
distritos. Esse mesmo governo através do Decreto nº 06 de
 26 de maio de 1891 eleva Itabaiana a categoria de cidade, 
ficando assim esta data como a emancipação política do município.
Após instalada a Comarca de Itabaiana, foram designados 

para Juiz de Direito e Promotor Público respectivamente os 
bacharéis Claudino Francisco de Araújo Guarita e José Lucas
 Pires de Souza Rangel.

Prefeitos

A partir de sua Emancipação Política o Município de Itabaiana

 foi administrado pelos seguintes prefeitos, no período de 1890 a 2008:
- José Luiz de Araújo (1890 / 1892);
- João Elias Vascurado (1892 / 1893);
- Virgínio Veloso Freire (1893 = 05 meses);
- Sem identificação (1893 / 1895);
- Manoel Germano de Araújo (1895 / 1900);
- Manoel Vicente de Queiroz (1900 = 03 meses);
- Volta a governar o prefeito Manoel Germano de Araújo (1901 / 1904)

já que os anteriores eram eleitos pelos Conselhos Municipais 
(esse conselho foi dissolvido posteriormente);
Obs: A partir desse período, passa a serem eleitos Prefeito 

e Vice-Prefeito;
- Sendo eleito para Prefeito o Sr. Francisco Resende de Melo

 (1904 / 1909);
- Manoel Pereira Borges (1909 / 1915);
- Dr. Odilon Maroja (1915 / 1919);
- Manoel Joaquim de Araújo (1919 / 1922);
- Dr. João Florêncio Filho (1922 / 1925);
Obs: O Prefeito não assumiu as suas funções, assumindo o

 vice-prefeito, o Sr. Olívio de Andrade Lira, (governou o mesmo período);
- Dr. João Florêncio Filho, toma posse em 02 de fevereiro de 1925,

 governou apenas 20 dias, assumindo o vice-prefeito, que ficou no
 poder por 03 meses;
- Pedro Muniz de Brito (1925 / 1929);
- Dr. Fernando Pessoa (1929 / 1932);
- Dr. Crisanto Lins (1932 / 1934);
- João Luiz Freire (1934 / 1936);
- Manoel Pereira Borges (1936 / 1937);
- Dr. Durval de Almeida (1937 / 1938);
- Dr. Abelardo Jurema (1938 = 04 dias);
- Dr. Antônio Batista Santiago (1938 / 1940);
- João Luiz Freire (1940 / 1942);
- José Augusto Pinto Ribeiro (1942 / 1945);
- Luiz Paulino da Silva (1945 / 1946);
- Manoel da Silva Lira (1946 / 1947);
- Sebastião Rodrigues do Nascimento (1948 = 08 meses);
- Dr. Odon de Sá Cavalcanti (1948 / 1951);
- Luiz Paulino da Silva (1951 / 1955);
- José Benedito da Silveira (1955 / 1959);
- Alceu Almeida Aguiar (1959 / 1963);
- Dr. Hugo Romero Saraiva (1963 / 1965);
- Dr. Everaldo de Morais Pimentel (1965 / 1969);
- Dr. Josué Dias de oliveira (1969 / 1973);
- Dr. Antônio Batista Santiago (1973 / 1977);
- Dr. Aglair da Silva (1977 / 1982);
- Edilson Andrade (interino de 28 / 02 a 07 / 10 / 1984);
- Severino Ramos da Silva (1984 / 1988);
- Sebastião Tavares de Oliveira (1988 / 1992);
- Geraldo Fonseca Filho (1992 / 1996);
- Antônio Carlos Rodrigues de Melo Júnior (1996 / 2000);
- Sebastião Tavares de Oliveira (2000 / 2004);
- Eurídice Moreira da Silva (2004 / 2012).



A própria História do Município é o seu maior Patrimônio. 
É por intermédio dos nossos antecessores que se esforçarão,
 se sacrificarão para construíram um legado que se transmite
 até hoje a nossa história. As gerações futuras devem preservar
 e reconhecer que cada monumento, construção ou marco, 
formam um conjunto que representa a história de seu povo.
O patrimônio histórico de Itabaiana é formado por: igrejas, 

capelas, praças, pontes, coreto, obelisco, casarões e tudo que
 lembra o seu passado, bem como seus grupos folclóricos, 
escolas de samba (que dão renome ao seu famoso carnaval 
de rua) e outros.



Origem do nome
O nome do Município apresenta discussão em torno de sua

 correta grafia. Para alguns é simplesmente Tabaiana, vocábulo
 indígena taba – anga, que significa morada das almas, enquantO
 outros registram Itabaiana, Ita (pedra) – baiana (que dança), 
alusivo a uma pedra vermelha existente no leito do Rio Paraíba,
 que fazia movimentos rotatórios. A cidade é conhecida como 
sendo a Rainha do Vale do Paraíba. 
Educação
Estar registrado na história de Itabaiana que o professor Emydio

 Vasco de Toledo instalou a primeira escola, no ano de 1881.
Atualmente a população conta com cursos de 1º, 2º e 3º graus
,
 cujos professores moram em sua grande maioria em Itabaiana. 
Educadores e Educandários que destacamos na História de Itabaiana:
- Profº. Maciel (foi professor de José Lins do Rego no Instituto

 Nossa Senhora do Carmo);
- Dona Marieta de Carvalho (Colégio São José);
- Nini Paes (Colégio São José);
- Professora Salomé Jordão;
- As Escolas Reunidas (Praça da Indústria);
- Colégio João Fagundes (centro da cidade)
- Colégio Nossa Senhora da Conceição (dirigido por irmãs religiosas

 da irmandade Santa Catarina de Sena, fundado em 1948);
- Colégio Estadual de Itabaiana;
- Colégio Técnico Comercial Dom Bosco, tendo na sua direção

 o Profº. Emir Nunes oferecendo cursos Profissionalizantes 
desde 1970.


Os Revolucionários
- João Luiz Freire, revolucionário de 1817. (ficou preso na Bahia

 até 1821 quando lhe restituíam a liberdade);
- André Dias de Figueiredo, revolucionário de 1817;
- Custódio Vaz de Carvalho, encarcerado na Bahia até 1821.
Foram apelidados de “Itabaianenses Revolucionários” pela 

grandeza e coragem que demonstraram na Revolução de 1817.
 Itabaiana como simples povoado, alcançando a bandeira branca
 símbolo da insurreição, marchou até a metrópole com dois mil
 homens, onde foram acolhidos com grande alegria e aclamação.
- Félix Antônio, revolucionário da Batalha de 1824, (travada no

 Riacho das Pedras, entre Republicanos da Confederação do 
Equador e Tropas Legalistas do Império);
A batalha travou-se por quatro horas com a participação de 

três mil e quinhentos homens. O Tenente Coronel Estevão José
 Carneiro da Cunha comandava o exército legalista não havendo
 vencedor. Como saldo da Batalha 23 confederados foram mortos
 e 30 soldados legalistas foram presos. O escritor Joaquim Inojosa
 expressou-se “Razão têm os Itabaianenses de festejarem essa 
data que forma uma das belas páginas da história brasileira, 
diretamente de sua cidade”


Folclore 
A influência do folclore de Itabaiana vem de três fontes fundamentais:
 Cultura Européia (Portuguesa, Francesa e Holandesa), Africana
 e Indígena, ligadas as tribos Tupis. Destacando-se:
- Vaquejadas, tradicionalmente promovida pela família Duré;
- Coco de Roda, dança em círculo, usando os instrumentos 
zabumba maior, zabumba menor, caracaxá, solista. O coco 
de roda tem diversas variações, sendo as mais conhecidas: 
Coco Batido, Coco de Umbigada, Coco de Roda, Coco do Sertão
 e Coco do Mergulho. Itabaiana tem como seus maiores emboladores
 de Coco de Roda José Martins de Souza e Manoel Inês da Silva;
- Bumba-Meu-Boi, é uma dança com representação dramática 
empregado pelos jesuítas para auxiliar a catequese no Brasil. Tem
 nomes variados de acordo com a região apresentando características
 peculiares;
- Quadrinha Junina, dança de origem francesa, normalmente 
apresentada nas festas juninas. Dança-se ao som de conjunto
 regional composto de sanfona, zabumba, pandeiro e triângulo;
- Corrida de Argolinha e Carvalhada, manifestação folclórica que
 geralmente se realiza em locais de zona rurais. Os cavaleiros 
empunhando uma lança concorrem alternadamente, montados
 a cavalo, representando o cordão azul e encarnado, tornando-se
 vencedora a ala que conseguir arrancar o maior número de argolinhas.


Jornais e periódicos
No século XX nas duas primeiras décadas, Itabaiana teve a honra
 de redigir os melhores periódicos do Estado.
O primeiro a circular no município foi a “Gazeta da Manhã” 
considerado o mais completo periódico do interior publicado
 nos velhos tempos. 
Outros periódicos circularam em tempos mais remotos: “A Notícia”,
 “Correio da Semana”, “O Dia”, O Anthélio” e a “Folha”.
A “Folha” passou um bom período sem circular voltando na 
administração de Sebastião Tavares de Oliveira, ELA que é o órgão
 oficial do Município de Itabaiana, e que teve como seu fundador Dr.
 Fernando Pessoa e Pedro Muniz de Brito em 1927. 
Hoje temos em circulação “A Tribuna”



Curiosidades

Vigário: Padre Francisco Targino (1903 / 1906);
Jornal: Jornal de Itabaiana “O MUNICÍPIO” (1908);
Médico: Dr. José de Souza Maciel (1904);

Dentista: Dr. Francisco Chalaça (1908);
Associação: Associação Comercial de Itabaiana, 
(Presidente José Oliveira da Silva em 1961);

Comarca: Decreto nº 22 (junho de 1890);

Feira de gado: Criada em 1864;
Trem: O primeiro trem chega a Itabaiana (1901);
Advogado: Dr. Joaquim Inojosa é o 1º a se instalar
 em Itabaiana no governo do Dr. Odilon Maroja;
Hospital: São Vicente de Paulo, sob a presidência de 
Artur Serrano, realizado e construído pela Sociedade 
Mantenedora do Hospital e Maternidade São Vicente de 
Paula, sob a presidência do Dr. Antônio Batista Santiago,
 inaugurado em 19 de março de 1949;
Correios: Agência dos Correios e Telégrafos criada em 1829;

Telefone: Instalado pelo mecânico Francisco Sótter

Água: O abastecimento d’água chega a Itabaiana em 1912;

Asilo dos velhos: Fundado em 26 de junho de 1950;

Cinema: Instalado na cidade em 1910;
Casa da mãe pobre: Fundada em 1959;
Sociedade Beneficiente dos trabalhadores:Fundada em 1948;
União dos artistas e operários: Fundada em 1916, tendo
 como 1º presidente José Tertuliano Ferreira;

Coreto: Inaugurado em 1914 na administração de Manoel
 Pereira Borges;
Açougue: Construído e inaugurado em 1881;

Transportes: Carroças puxadas a boi, prestando um 
grande auxílio aos comerciantes (1900 / 1929);

Bonde de burro: De 1914 a 1930, no governo do Dr. Germiniano
 Jurema Filho, noticiado no jornal “A UNIÃO” na sua inauguração
 como “grande melhoramento por que acaba de passar a 
progressista cidade de Itabaiana”


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...